Ser carmelita, eis a minha vocação.

EM QUE CONSISTE A VOCAÇÃO PARA O CARMELO
Na Igreja há muitas vocações, muitos carismas, muitos serviços. Ao longo dos séculos, diante das necessidades do povo de Deus, sempre apareceram pessoas que procuravam ler a situação do povo à luz da Palavra de Deus e se sentiam impelidas para responder ao chamado que vinha da realidade. Assim foram surgindo as várias congregações religiosas, as ordens, os institutos, os movimentos leigos, as organizações de bairro e tantos outros movimentos e formas de ajuda para melhorar a vida das pessoas e transformar a convivência humana mais de acordo com a vontade de Deus. Assim surgiu a Ordem do Carmo, a Família Carmelitana. Foi na Idade Média, mais de oitocentos anos atrás.
A grande necessidade do povo na Idade Média
No Século X e XI, apareceu uma grande necessidade no povo da Europa. O sistema social, econômico e político do feudalismo começou a desintegrar-se. Muita gente que vivia nos feudos do interior, da roça, saía para ir morar nas cidades que estavam crescendo com muita força e poder. Assim, nas periferias das cidades surgiam as massas de pobres, chamados “menores”. Muita gente se aproveitava desta situação confusa para difundir idéias estranhas no meio do povo. Na Igreja, o clero não estava preparado para esta mudança repentina e os grandes mosteiros dos monges, que viviam longe do povo, por ora não tinham resposta adequada.
Diante deste grande clamor, diante desta vocação de Deus vinda da realidade, muitas pessoas começaram a procurar uma resposta. Demorou muito tempo para encontrar o rumo. Uma destas pessoas foi Francisco de Assis. Ele encontrou uma resposta bonita e muito concreta. Para ajudar o povo a reencontrar Deus na vida, ele criou pequenas comunidades itinerantes de leigos que viviam entregues à oração e andavam pelos povoados para anunciar e irradiar a Boa Nova de Jesus. Era chamado o Movimento Mendicante.
Quando Francisco morreu, nem vinte anos depois, já havia mais de 5000 frades franciscanos e muitas religiosas franciscanas junto com Santa Clara. Sinal de que Francisco e Clara souberam ser um apelo forte para a juventude da época.
Os franciscanos (o nome vem de Francisco) se chamavam “Frades Menores”, porque procuravam viver com os “menores” e como os “menores”, os pobres. Ao lado dos “Frades Menores” surgiram vários outros grupos mendicantes: Dominicanos, Servitas, Mercedários e outros. Um deles somos nós: a Ordem dos Irmãos e das Irmãs da Bem Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, a Família Carmelitana.
A Família Carmelitana: sua vocação, seu carisma
Os mendicantes nasceram para ajudar os “menores”, o povo pobre que vinha dos feudos do interior, da roça, e enchia as periferias das cidades. Cada grupo mendicante procurava responder a uma necessidade bem concreta do povo. Os Franciscanos identificavam-se, sobretudo, com a pobreza e viviam pobres com os pobres, testemunhando e anunciando a Boa Nova de Jesus. Os Dominicanos procuravam atender às necessidades do conhecimento deficiente que o povo tinha das coisas da fé, pois havia muita gente que semeava confusão entre os pobres. Os Mercedários se uniam para ajudar na libertação dos muitos prisioneiros e escravos.
E os Carmelitas? Os frades Carmelitas procuravam atender à grande necessidade que o povo sentia de saber como rezar, como viver com Deus na oração; como viver na presença de Deus, como irradiar esta presença de Deus no meio do povo, no meio dos “menores”.
Os primeiros carmelitas, na sua maioria, eram leigos. Eles tinham abandonado a Europa, sua terra natal, para viver, como peregrinos, na Terra de Jesus. Alguns foram ex-combatentes das Cruzadas. Eles se estabeleceram no Monte Carmelo, onde era muito viva a memória do profeta Elias e do seu discípulo o profeta Eliseu. Lá no Monte Carmelo, começaram a organizar-se em comunidade ao redor da fonte do Profeta Elias e ao redor de uma capelinha dedicada a Santa Maria do Monte Carmelo. Eles foram morar lá, como eles mesmos diziam, para poder iniciar uma vida nova “em obséquio de Jesus Cristo”. Isto foi em torno do ano 1200. Para distingui-los dos outros grupos, o povo os chamava: “Irmãos da bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo”.
Eles viviam de maneira muito simples e pobre, cada um numa gruta na montanha, que eles chamavam de Cela. De manhã cedo, reuniam na capela para celebrar a Eucaristia. Durante o dia, rezavam os salmos, meditavam a vida de Jesus e trabalhavam para poder sobreviver. Em determinados dias desciam do Monte para os povoados a fim de anunciar a Boa Nova de Jesus ao povo do lugar. Tinham seus jegues ou jumentos nos quais viajavam para visitar os pobres nas suas comunidades.
Depois de uns anos, eles quiseram ter a aprovação da Igreja para sua maneira de viver o evangelho lá no Monte Carmelo. Resolveram conversar com o bispo de Jerusalém, o Patriarca Alberto. Mas antes de falar com ele, fizeram uma reunião e elaboraram um rascunho, no qual expunham para Alberto o seu jeito próprio de “viver em obséquio de Jesus Cristo”. O patriarca Alberto acolheu o pedido e transformou o rascunho num programa de vida que é a Regra do Carmo. Isso foi em 1207.
Uns 30 anos depois, eles decidiram que um grupo deles devia voltar para Europa, pois, diante das ameaças dos muçulmanos, a situação no Monte Carmelo estava cada vez mais insegura, com menos perspectivas para o futuro. Eles queriam que a missão continuasse e se espalhasse em outros lugares e países. Assim, alguns deles voltaram para a Europa: uns foram para a ilha de Chipre, outros para Sicília e para o Sul da França. Isto foi em 1238.
Nas cidades da Europa, a situação do povo era bem diferente do que no Monte Carmelo e seus povoados. Por isso, para que pudessem servir melhor aos “menores” da Europa, pediram ao Papa Inocêncio IV para adaptar a Regra às novas circunstâncias. O Papa atendeu ao pedido. Ele pediu a dois frades dominicanos, Hugo e Guilherme, para atualizar e adaptar a Regra à nova situação da Europa. Em seguida, o Papa aprovou a Regra. Isto foi no dia 1 de outubro de 1247.
Um pouco mais de 50 anos depois, em 1300, já havia mais de 150 Comunidades Carmelitas ou Pequenos Carmelos em quase todos os países da Europa. Sinal de que, como Francisco e Clara, o testemunho de vida dos primeiros Carmelitas era um apelo forte para a juventude da época.
O Monte Carmelo: um ideal de vida
O Monte Carmelo marcou de tal maneira a vida daqueles primeiros frades, que ele deixou de ser uma simples referência geográfica para tornar-se um ideal de vida. Por isso, em vez de Albertinos (o nome viria de Alberto), eles quiseram ser chamados de Carmelitas, Moradores do Carmelo. Cada comunidade de carmelitas, seja de leigos ou leigas, seja de frades, freiras ou monjas, deve ser um Pequeno Carmelo, isto é, um lugar onde as pessoas reencontram o mesmo ideal de vida, a mesma Boa Nova de Deus, o mesmo ambiente acolhedor, a mesma hospitalidade e a mesma fraternidade, que os tinha marcado para sempre desde aquele primeiro início lá no Monte Carmelo. E assim deve ser até hoje.
Até hoje, procuramos recriar em nós o mesmo ideal de vida. Como os nossos santos e santas, iniciamos a mesma “Subida do Monte Carmelo”: Alberto, Ângelo, Maria Madalena dei Pazzi, João Soreth, Nuno, João da Cruz, Tereza de Ávila, Teresinha de Lisieux, Tito Brandsma, Edith Stein, Teresa de los Andes, Isidoro Bakanja, Gabriel Couto, Ângelo Paoli. Tantos e tantas! Homens e mulheres, sacerdotes e religiosas, monjas e leigos, casados e solteiros, pais e mães de família, jovens e velhos, rapazes e moças. Todos eles testemunham com a sua vida: Ser Carmelita é tudo que eu quero na vida! Venha beber desta Fonte!
Que fonte é esta? É a intuição mística que brota dentro de cada um de nós e sobe do fundo da nossa consciência dizendo: “Deus existe, ele está conosco, ele nos ouve; dele dependemos, nele vivemos, nos movemos e existimos. Somos da raça do próprio Deus” (cf. At 17,28). E o coração humano responde murmurando: “Sim, Tu nos fizeste para ti, e o nosso coração estará irrequieto até que não descanse em Ti!”  Hoje, mais do que nunca, em cada nova geração, este murmúrio da alma levanta a cabeça em busca de uma resposta para as perguntas que sempre renascem: Por que existimos? Quem nos fez? Quem é Deus? Qual o sentido da nossa vida? Deus, onde estás? As imagens de Deus mudam, devem mudar, para que os costumes e as imagens envelhecidas e antiquadas não nos impeçam de descobrir a novidade da vocação de Deus na vida de hoje.
A água que Elias bebeu na fonte do Carmelo ajudou-o a redescobrir a presença de Deus quando ele, perdido e desanimado, deitou debaixo de uma árvore e pediu para morrer (1Rs 19,4). Ele imaginava Deus de um jeito: poderoso, forte, ameaçador, como terremoto, tempestade e fogo. Mas Deus já não estava no terremoto, nem na tempestade, nem no fogo (1Rs 19,11-12). A água que Elias tinha bebido na fonte do Monte Carmelo ajudou-o a superar as imagens antiquadas de Deus e levou-o a discernir a presença divina, para além das imagens, na brisa leve (1Rs 19,12), no silêncio sonoro, na noite escura, mais clara que o sol do meio dia (Sl 139,12). Esta fonte brota sempre, até hoje, mesmo de noite
Quem tiver sede, venha beber, disse Jesus à Samaritana, ao povo de Jerusalém e a todos nós (Jo 4,14; 7,37-39). No Monte Carmelo existe a fonte que, ao longo dos séculos, matou a sede do profeta Elias, do profeta Eliseu, dos filhos dos profetas, dos Santos e Santas do Carmelo. Venha beber desta fonte!

O QUE NOS DEFINE COMO CARMELITAS: O DNA DO CARMELO
Para aqueles primeiros frades, o Monte Carmelo deixou de ser uma simples referência geográfica para tornar-se um ideal de vida. Da mesma maneira, no decorrer dos séculos, outros aspectos da vida no Carmelo deixaram de ser simples fatos ou lugares históricos para se transformar em símbolos da nossa própria existência, com os quais nos identificamos e que, sem palavras, falam de nós para o mundo.
Enumeramos aqui doze destes referenciais simbólicos que nos ajudam a perceber melhor os diversos aspectos do nosso Carisma. Agradecemos ao nosso confrade frei Francisco Sales, carmelita da Província Pernambucana, que elaborou estes doze pontos tão significativos da nossa espiritualidade que aqui transcrevemos:
  1. Peregrinação.
Os primeiros Carmelitas são peregrinos, homens inconformados com um modelo de viver a fé que, movidos pelo desejo de seguir a Jesus de forma mais radical, buscam na Terra Santa, o Santo da Terra. Constroem o novo, aventuram-se para garantir a autenticidade de sua fé. O Carmelita é por natureza um inquieto, peregrino, inconformado com a mesmice da fé e da história, aventureiro do Absoluto.
  1. Grupo, Fraternidade.
No Carmelo na há um líder carismático, um fundador no estrito senso da Palavra. Há um grupo que, movido por um desejo comum de fidelidade ao Evangelho, encontra-se e constroe um modo de vida. Para o Carmelita, a razão da vida tem sua fonte numa comunidade e está necessariamente direcionada para a construção da fraternidade.
  1. Corações famintos.
Nós não conhecemos os nomes dos primeiros Carmelitas, mas podemos conhecer seus corações marcados por uma fome. Foram marcados por uma profunda experiência de conversão, saíram do bulício das cidades para viverem na solidão, iniciando uma vida juntos com o intuito de responderem à fome profunda de seus corações.
  1. Monte Carmelo.
O caminho Carmelita passa necessariamente pelo monte, com todos os significados que a espiritualidade bíblica a ele atribui. É o lugar da parada dos peregrinos, da subida, da jornada para a comunhão com o Senhor, etc. O Monte confere ao grupo um nome, uma identidade, uma terra. Eles irão levá-lo a todos os recantos por onde se espalham, fazendo de suas habitações outros Pequenos Carmelos, lugares evocativos da aventura inicial.
  1. Fonte de Elias.
O ponto de parada dos primeiros Carmelitas é a fonte do Profeta, marco memorial dos grandes feitos de Elias. Ao redor da fonte saciam aquela sede mais intensa e, à imitação de Elias, deixam-se consumir de ardente zelo pelo Senhor Deus dos Exércitos, anunciando a Boa Nova de Deus aos pobres dos povoados ao redor do Monte Carmelo.
  1. Celas.
Espaço de solidão e de cultivo da intimidade e do encontro com Deus, chão, no qual se nutre a vida através da lectio divina, lugar de luta contra toda forma de escravidão da pessoa e da conquista da liberdade interior.
  1. Oratório.
Centro de convergência da vida, lugar da celebração do louvor comum que transforma a vida em sacramento da presença de Deus. Espaço para a celebração da Eucaristia, do encontro com o Cristo vivo e presente no Pão partilhado que se transforma em ponto gravitacional de toda a existência.
  1. A Senhora do Lugar.
O oratório é consagrado à Virgem Maria, e à Senhora do Lugar eles próprios se consagram. No coração da visão carmelita está Maria, como força de inspiração a quem eles chamam irmã e na qual contemplam, como em figura, realizado todo seu desejo de fidelidade ao projeto de Jesus.
  1. Um ritmo que orienta a vida.
Viviam em um local aprazível e solitário; distantes o suficiente uns dos outros; dedicavam o seu tempo à oração e reflexão; liam as Escrituras e procuravam marcar com suas linhas os seus corações; jejuavam; trabalhavam e marcavam suas vidas ao compasso do silêncio; reuniam-se diariamente para a eucaristia e semanalmente para revisar a vida à luz do propósito comum; viviam uma vida de pobreza; seu líder era eleito e morava à porta da habitação comum; acolhiam e serviam àqueles que batiam a sua porta; desciam do Monte para irradiar a Boa Nova entre o povo do lugar. A vida no Monte Carmelo centrava suas vidas dispersas e apaziguava suas mentes confusas, libertando os seus corações das urgências e compulsões do tempo. Viveram quase 100 anos neste ritmo de vida.
  1. A Norma de Vida.
A vida vivida foi codificada numa Regra que se transforma no referencial permanente, na Fonte que contém as indicações concretas para a fidelidade, sempre aberta para aqueles que fizerem mais. Mais do que normativa, a Regra é um elemento carismático, indicativo e dinâmico.
  1. Viagem de volta.
Diante das dificuldades e perseguições, os carmelitas fizeram a viagem de volta, transfigurados. Deixaram o Carmelo, mas o Carmelo nunca mais os deixou, forjaram uma nova visão do Carmelo, como referencial espiritual de suas vidas. O Carmelita é aquele que, uma vez bebendo da fonte, é capaz de refazer o caminho de volta e recontar a própria história a partir da experiência vivida.
  1. Mendicância.
A dinâmica das Ordens Mendicantes é assimilada pelo Carmelo desde a sua origem e sobretudo a partir do seu retorno na Europa. Momento vivido com os conflitos próprios de toda mudança. A Regra é adaptada à nova realidade e mais uma nota é acrescida à sinfonia inicial do Carmelo, incorporando outros elementos, como a itinerância, a simplicidade de vida, o serviço ao povo de Deus nas realidades desafiadoras das cidades, a  abertura ao inesperado, etc.
Estes referenciais simbólicos estão impressos no coração de cada carmelita, fazem parte do nosso DNA espiritual, renascem em cada nova geração e nos ajudam a entender e a viver melhor o dom especial do Carmelo para a Igreja. Eles nos provocam continuamente em nossos desejos e impulsos de fidelidade, em nossos projetos e escolhas. Eles nos ajudam, diante dos desafios com os quais nos confrontamos, a recriar o significado de nossa vida e de nossa presença na Igreja e no mundo, mantendo a fidelidade à nossa identidade, atualizando-os numa tensão fecunda entre passado e presente em vista do futuro.
Do livro Venha beber desta fonte (Frei Carlos Mesters)