Postulante de nossa província lança cd litúrgico

CÉUS, DEIXAI CAIR O ORVALHO

Wanderson Luiz Freitas*

postulanteHá pouco menos de um ano, o setor musical da Editora Paulus lançou, de minha autoria em parceria com o maestro e compositor Gilson Celerino, o CD Céus, deixai cair o orvalho, com cantos litúrgicos para o tempo do Advento. O princípio geral que norteou esse trabalho foi expresso pelo Concílio Vaticano II nos seguintes termos: “A música sacra será tanto mais santa quanto mais intimamente estiver unida à ação litúrgica, dando à oração uma expressão mais harmoniosa, favorecendo a unanimidade e tornando os ritos sagrados mais solenes” (Sacrosanctum concilium, nº 112). O objetivo da música que se coloca a serviço do culto divino é proporcionar um mergulho no Mistério de Cristo, expresso nos textos sagrados da liturgia, cujo espírito a música procura traduzir e, nesse movimento, envolver nosso ser inteiro. Para tanto, é preciso que a música litúrgica seja verdadeiramente música, isto é, possua as qualidades de obra de arte bem feita, bem produzida, de acordo com os cânones da ciência musical. A qualidade é indispensável para que a música atinja seu objetivo pedagógico e mistagógico, conduzindo para o coração do Mistério da Salvação que vem a nós na sagrada liturgia. A linguagem da música deve ser tal que se aproxime daquela beleza que vamos ouvir e cantar um dia na eternidade, isto é, deve ter o sentido do transcendente. Nesse espírito, realizamos a gravação de um álbum litúrgico de caráter acústico que se colocasse à disposição da Igreja tendo em conta esses aspectos gerais da música litúrgica. Igualmente, procuramos valorizar três aspectos particulares da música litúrgica especificados pela Igreja nos seus livros litúrgicos e documentos, e que estavam um tanto esquecidos nas recentes produções e composições: os textos próprios de cada dia (as antífonas), o coral e o órgão.

O trabalho quer ser uma proposta nova para a música litúrgica brasileira no sentido de fidelidade estrita aos textos próprios de cada missa, constantes no Missal Romano, no Gradual Romano (livro oficial para a música da Igreja, com todos os textos próprios e comuns, em música gregoriana) e na Liturgia das Horas. Além das orações de cada dia, as antífonas fazem parte da estrutura mesma da missa, formando com as orações e as leituras uma unidade de pensamento que remete a tal ou qual faceta do Mistério de Cristo celebrado naquele dia. Cantar a liturgia é, pois, antes de mais, cantar os textos próprios fixados pela Igreja para aquele dia litúrgico específico, que são a Palavra de Deus colocada nos nossos lábios ressoando como canto que sobe ao céu e penetra o nosso coração.

Outra proposta que traz o CD é o resgate da linguagem coral para a música nas nossas liturgias. Infelizmente, por incompreensão da reforma litúrgica, a figura do coro foi desaparecendo de nossas igrejas e as composições para esse tipo de grupo ficando cada vez mais escassas em nome da valorização do canto popular. Por direito, a assembleia possui a primazia. Mas o coral, também enquanto assembleia, possui a função de sustentar o canto do povo e mais: de embelezá-lo com um repertório bem trabalhado e com arranjos vocais bem feitos. O álbum valoriza a participação coral na liturgia, que não rouba o lugar da assembleia no seu direito de cantar, mas apoia e enriquece o seu canto.

O acompanhamento musical das vozes na liturgia pode ser feito por qualquer instrumento musical. No entanto, os padres conciliares, seguindo a Tradição da Igreja em matéria musical, estabeleceram que se deve ter “em grande apreço na Igreja latina o órgão de tubos, instrumento musical tradicional cujo som é capaz de dar às cerimônias do culto um esplendor extraordinário e elevar poderosamente o espírito para Deus e para as realidades celestes” (SC, nº 120). Por isso utilizamos nesse álbum, além do piano, o acompanhamento de órgão, valorizando nossa tradição e esse instrumento que desde muitos séculos ressoa em nossas igrejas, transportando nossos corações ao alto.

Para quem deseja conhecer e utilizar o trabalho na sua comunidade fica o incentivo da Ir. Míria T. Kolling, dado na apresentação do CD: “Quanto a você, amigo, cristão, ministro do canto, será um privilegiado se tiver nas mãos este repertório sacro, com as 19 canções litúrgicas, que o transportarão ao infinito e farão silenciar seu coração, num quase êxtase divino!… Deixe que ele se comova ao ouvir, rezar, cantar e celebrar tanta beleza de Deus, expressa em melodias do céu, em vozes afinadas com o coro dos anjos. Será uma experiência inaudita, sintonia com o Infinito, mergulho no Divino Músico!”.

* Pré-noviço da Ordem do Carmo na Província Carmelitana Pernambucana. Pianista e compositor, membro da equipe de compositores da CNBB. Entre outros, é autor da música do Hino Oficial da Campanha da Fraternidade 2017.